ACUERDO PARA UN PLAN DE DESARROLLO EN RÍO DE JANEIRO

El Gobierno del Estado de Río de Janeiro firmó, el martes 8 de septiembre con el arquitecto y ex gobernador de Paraná, Jaime Lerner y la Agencia de Desarrollo Barcelona Regional Urbano un acuerdo para el desarrollo del Plan Integrado de Desarrollo Estratégico en la Región Metropolitana de Río de Jan

O Governo do Estado do Rio de Janeiro assinou contrato, na terça-feira, 8 de setembro, com o arquiteto e ex-governador do Paraná Jaime Lerner e com a Agência de Desenvolvimento Urbano Regional de Barcelona para o desenvolvimento do Plano Estratégico de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O objetivo é traçar estratégias de mobilidade e de políticas habitacionais, de desenvolvimento econômico, entre outras, para 21 municípios da região.

Ao todo, serão investidos R$ 7.713.242,29 do Banco Mundial (Bird). Os municípios que farão parte do plano são Rio de Janeiro, Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Japeri, Magé, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica, Tanguá, Itaguaí, Rio Bonito e Cachoeiras de Macacu.

Segundo o diretor executivo da Câmara Metropolitana do Rio de Janeiro, Vicente Loureiro, o plano estratégico será fundamental para identificar vocações e definir ações estruturantes, como ordenamento territorial metropolitano, saneamento básico, resiliência e sustentabilidade ambiental.

“O mais importante é que o plano estabeleça um fórum de participação, com a formação de um conselho e poder de voto dos municípios participantes. Com isso, poderemos disciplinar a concessão dos serviços compartilhados”, explicou Loureiro.

A participação conjunta das cidades da Região Metropolitana será fundamental para a implementação do plano estratégico na avaliação do presidente do IAB-RJ, Pedro da Luz Moreira.

“O principal desafio será a coordenação dos governos municipais, que têm suas agendas particulares e não possuem a cultura de olhar para o conjunto da metrópole. É preciso que os gestores públicos compreendam que as cidades estão interconectadas. O que se faz no Rio de Janeiro impacta outras cidades de forma imediata e vice-versa”, afirmou Pedro da Luz.